PLACENTA PRÉVIA
Materinidade

Placenta Prévia

Placenta Prévia

É quando a placenta se situa no segmento inferior do útero, podendo até se situar a frente do feto na saída uterina.

placenta previa

Ocorre em 0,55 – 1,27% dos partos, tendo recidiva de 6% e ocorrendo mais frequentemente em mulheres com história de abortos, cesarianas ou operações ginecológicas anteriores, malformações em filhos anteriores e gestação de gêmeos.

INFLUÊNCIA DA PLACENTA PRÉVIA NA GESTAÇÃO

Durante a gravidez pode causar interrupção da mesma inclusive sendo causa de parto prematuro, amniorrexe prematura (rotura prematura) e alterar a posição do feto na hora de nascer.

No parto há chance maior de saída do cordão umbilical, “fraqueza” do útero na hora de contrair, retenção da placenta, hemorragia pós-parto e maior incidência de cirurgia na resolução obstétrica.

No puerpério pode ocorrer hemorragias e infecções.
Sobre o feto pode causar imaturidade, anóxia pelas más condições maternas e hemorragia pelas vilosidades e retardo no crescimento.

placenta prévia feto

Sintomas da Placenta Prévia

Ocorre hemorragia com sangue vermelho rutilante geralmente no 3º trimestre de gestação, não tendo motivos aparentes e sendo indolor e progressiva.

Veja tudo sobre aborto espontâneo

Este sangramento ocorre por falta de paralelismo entre o segmento inferior do útero que vai crescendo durante a gestação e da placenta que não consegue acompanhá-lo se descolando e liberando sangue que irrita o útero e provoca contrações.

Ao contrário do descolamento prematuro da placenta, aqui o útero tem consistência normal e é indolor.

Diagnóstico

A história juntamente com o exame físico auxiliados pela ultrassonografia servem para elucidar esta doença e diferenciá-la de outra doença parecida que é o descolamento prematuro de placenta.

Placenta Prévia e seu Tratamento

É extremamente necessária a presença e acompanhamento médico para a elucidação diagnóstica e para a definição da melhor estratégia possível de tratamento, também variando desde uma reposição das condições maternas até uma aceleração do parto.

Dicas importantes

Quando aparecer o primeiro sinal de sangramento procure o seu médico e siga toas as suas orientações a risca, evitando assim qualquer risco possível na gestação.

Descolamento Placenta

É a separação intempestiva da placenta implantada no corpo uterino em gestação de 20 semanas ou mais, acontecendo em 0,5 – 3,5% das gestações (1 a cada 130 partos), sendo uma grande responsável de morbidade.

descolamento placenta

Causas do Deslocamento Placenta

a) hipertensão materna: responsável por cerca de 50% dos casos
b) fator mecânico: trauma direto ao útero (pouco frequente) ou cordão umbilical pequeno ou torção do útero ou hipertensão da veia cava inferior por compressão uterina
c) fator placentário: necrose local devido ao tabagismo, anemia ou a má nutrição

Quadro Clínico

Dor abdominal súbita de intensidade variável seguida de hemorragia de pequeno volume geralmente em 80% dos casos (em 20% há hemorragia oculta) com quadro de anemia desproporcional ao sangramento.
Aqui é também importante o exame do útero por um médico que notará grande tensão na parede uterina ou mesmo consistência lenhosa. O que acontece neste momento é devido a uma reatividade uterina a presença de coleção sanguínea surgida de uma clivagem no local da placenta-útero e este enrijecimento ajuda a descolar ainda mais a placenta o que libera mais sangue criando um círculo vicioso.

Outro acometimento devido a presença de sangue no útero é a chamada apoplexia uteroplacentária que é uma dissociação das fibras do útero pela infiltração sanguínea nele, o que causa uma “fraqueza” na força de contração uterina na hora do parto e uma maior dificuldade na cessação do sangramento após o parto.

Claro que a intensidade da hemorragia também é importante não só para o útero, como para todo o corpo, podendo advir problemas renais e até da coagulação.

descolamento placenta sintomas

Diagnóstico

O quadro clínico do descolamento placenta é o mais importante e o ultrassom tem importância ao afastar a possibilidade de uma doença chamada placenta prévia, que também tem sangramento vaginal, e pela possibilidade de se visualizar hematomas atrás da placenta (ai estão os sangramentos ocultos!).

Tratamento

É fundamental a presença de um médico na condução do caso para avaliar as consequências e traçar uma conduta terapêutica que pode ser desde acompanhamento até a aceleração do parto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *